Florie, aluna francesa, atravessou o Atlântico para participar do XXV Seminário Internacional de Dança de Brasília  

Foto: Simone Andrade

Foto: Simone Andrade

Por Simone Andrade –

Florie Leclercq-dory (24) fez o caminho inverso: Partiu de Paris para Brasília, em busca de aperfeiçoamento, principalmente no Pas de Deux. “Na França, só tem aulas de pas de deux em grandes escolas e é muito caro”, conta a aluna, que se declara apaixonada pelo clássico.

Leclercq-dory ficou sabendo do Seminário por meio de uma amiga brasiliense que vivia na França há alguns anos. Veio o ano passado pela primeira vez e, pelo jeito, gostou do que viu e voltou este ano. “O melhor do Seminário é encontrar pessoas de muitos lugares, pessoas qualificadas”, disse. A bailarina conta ainda que o povo também é motivador. “Os brasileiros são muito mais abertos que os franceses”, afirmou se referindo a facilidade com que o brasileiro tem de fazer amizades, trocar conhecimento e ajudar a quem precisa.

Quanto às expectativas com o seminário: conhecimento. “Já sou ‘velha’ para pensar em uma bolsa ou um contrato”, revela. Segundo ela, começou tarde na arte das sapatilhas. O interesse veio quando, aos 12 anos, foi a um espetáculo de ballet. Desde então, Florie estuda em um pequeno Conservatório de Paris.

Este é um evento da Secretaria de Estado da Cultura do Distrito Federal em parceria com a Associação Cultural Claudio Santoro.

Este evento faz parte do programa DANCE BRASIL.

Para reproduzir as matérias basta somente dar crédito à Agência Dance Brasil.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s