Bailarinos mostram o kit essencial que não pode faltar na mochila

Para aproveitar todos os momentos do XXIII Seminário Internacional  de Brasília, bailarinos de todas as partes abrem sua intimidade e mostram  o que levam na mochila

kit

Keyla Reis

repórter da Agência Dance Brasil

Cerca de duzentos e cinquenta bailarinos  e bailarinas de todas as partes do País e do mundo iniciaram na  quarta-feira (10) as aulas no 23º Seminário Internacional de  Brasília, que reúne professores de dança, em sua maioria, estrangeiros.   Dentro da bagagem que os bailarinos trouxeram para Brasília estão  saudade, dor, dedicação a dança e os sonhos, dos mais simples aos  mais ousados como ingressar em uma grande companhia de ballet ou de  dança contemporânea do mundo.

Atrelado ao sonho com  o estrelado esses bailarinos também levam consigo diariamente para  as aulas mochilas enormes para auxiliar nas incontáveis horas que passam  fora de casa treinando. E nelas, de grampos para o cabelo à nécessaires  de remédios. Conversamos com alguns bailarinos nesse primeiro dia de  seminário para saber qual kit não pode faltar na mochila de um bailarino  (a) e encontramos as mais diversas respostas.

Os kits

A bailarina Mylena Coimbra (16), da companhia de dança Ballet Lucia Helena D’Ângelo,  de Recife é a campeã do kit de remédios. Por dia Mylena toma cerca  de 5 comprimidos diariamente, todos com orientação médica. “Eu  passo muito tempo treinando, cerca de 5 horas e meia, todos os dias  e o auxílio dos remédios é fundamental para evitar tontura, dores  nas articulações, dores musculares e dores de cabeça”, disse.

A brasiliense Caroline  Sena(14), do Projeto Viva Arte Viva leva consigo o kit costura,  na mochila e adverte para a gravidade do não uso dele. “Uma vez uma  professora falou da importância do kit de costura pois caso a fita  da sapatilha de ponta ou da de meia ponta descosturasse poderia até  quebrar o pé em um movimento”. Desde então Caroline adotou o kit  há um ano e o leva para todas as apresentações e aulas.

Para a pequena Louise  Sofia Madeira( 10) e há sete anos bailarina, não há nada  pior que o coque cair, por isso o kit de grampos e adereços para o  cabelo é seu maior aliado principalmente nas apresentações. “Carrego  no kit dois prendedores firmes de cabelo, uma redinha e muitos grampos”.  Por mês a bailarina gasta duas caixas de grampos de 100 unidades em  cada. “Uso franja e tenho que usar mais grampos no cabelo, mas a pior  coisa mesmo é se o coque cair durante uma apresentação”, afirma  Louisse.

A francesa Madalena  Gal (17), participa pela primeira vez do Seminário e trouxe  um kit curioso. Gal cultua há dois anos o hábito de usar um bloco  de anotações nas aulas para não deixar passar as correções que  o professor fizer. Para ela, as anotações são dicas importantes que  a ajudam a memorizar com maior facilidade o que saiu errado na apresentação  de um movimento. “Sempre dou uma lidinha antes da aula e esse hábito  tem me ajudado muito a corrigir meus erros”, avaliou Gal.

Com a rotina puxada  de treinos os bailarinos procuram manter-se sempre bem maquiados. Rafaela  Ribeiro, de São José dos Campos (SP), não consegue ficar longe  do seu kit beleza. Para ela é imprescindível rímel e blush. “Como  estou sempre muito cansada viro refém da maquiagem. É só passar um  blush e pareço mais saudável”, afirmou.

Depois dos treinos,  nada melhor que descansar a musculatura que foi exaustivamente tensionada.  Para isso, na mochila do bailarino Lucas Correa não pode faltar o Kit  alongamento. Este contém o teraband (uma espécie de elástico largo  e espessura firme), que ajuda no alongamento e fortalecimento dos músculos,  além de ajudar a treinar os exercícios. As bolinhas de massagem, que  alivia as dores musculares e fortalecem os movimentos dos pés. Lucas  também leva no kit o garrote, para treinar os exercícios.

Depois de muito treino  e alguns exercícios de alongamento e relaxamento, é importante  se alimentar bem. A bailarina Jacqueline Komatzu (17), procura  se alimentar bem tanto para as aulas quanto para as apresentações.  Para isso, leva consigo o kit barra de cereal. “No grupo aonde participo  temos orientação com nutricionista pois a dieta do atleta é diferenciada.  É preciso combinar alimentos que ajudam na recomposição e na energia  gasta”. Komatzu procura sempre levar na bolsa barras de cereal, pois  são ricos em fibras, alimentos  que tenham proteína, frutas (mas  de forma moderada, por causa da glicose) e biscoitos integrais de sal.  “Muitas vezes tenho que comer o que não gosto muito”, confessa  a bailarina desde os cinco anos de idade.

Este é um evento da Secretaria de Estado da Cultura do Distrito Federal em parceria com a Associação Cultural Claudio Santoro.

Este evento faz parte do programa DANCE BRASIL.

Para reproduzir as matérias basta  somente dar crédito à Agência Dance Brasil

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s